Seguidores

O que um aventureiro comum sabe fazer?

Deixe um comentário

A maioria dos RPGs, principalmente aqueles dos quais mais falamos por aqui, assume que os personagens são "aventureiros". Eles são diferentes dos demais habitantes do mundo que vivem. Eles não se escondem detrás de muros atrás de uma segurança frágil, sem viajar mais do que 5 quilômetros de distância de seu vilarejo. Eles saem por aí, em busca de tesouros, glória, conhecimento perdido ou mesmo "aventuras".

Sendo assim, é implícito que eles tenham aprendido a realizar algumas tarefas e feitos inerentes à sua profissão. E não digo em relação às classes de personagens não. Antes deles serem guerreiros, magos, ladrões ou o que for, eles são aventureiros e isso já diz bastante coisa. Isso assume que eles estão habituados a viajar, a dormir longe de camas quentes, a superar obstáculos que pessoas mais civilizadas teriam dificuldades. Ou seja, mesmo sem ter perícias ou pertencer a alguma classe específica, como Ranger ou Druida, é bom lembrarmos que os personagens costumam ter um conhecimento básico em diversas áreas.
Seus personagens vão além de tacar magia, dar espadada e roubar...
Mas como retratar isso em um sistema como Old Dragon, que estou mestrando agora, e outros que existem por aí, em que não uma há mecânica para pericias?Foi pensando nisso, que depois de refletir um pouco, passei a assumir essas pericias como básicas para um aventureiro.     

Sobrevivência: Eu assumo que todo personagem tem ao menos uma noção de sobrevivência em ambientes selvagens. Eles sabem acender uma fogueira, procurar abrigo, água, comida. Tem uma noção básica de que animais são mais agressivos do que outros, o que é venenoso e o que não é, etc, etc. Eles podem não saber rastrear com precisão criaturas, mas podem ver que há um rastro ali.

Viagem: Habituados a viajar, pelo menos mais do que a maioria da população camponesa em um mundo de fantasia, os personagens tem certa prática em escalar colinas, atravessas rios, dormir em lugares desconfortáveis, se orientar por estrelas e pontos de referência e outras coisas. Eles podem não dominar completamente essas tarefas como Rangers e outras classes, mas a utilização básica dessas habilidades é algo inerente à atividade de cada um.

Primeiro Socorros: Da mesma forma, por estarem habituados a viajar e se aventurar, esses indivíduos acabam se machucando e entrando em apuros que, normalmente, os aldeões comuns não tem contato. Por isso, assumo que todo personagem tem uma noção básica de primeiros socorros. Assim, qualquer personagem pode tentar estabilizar o amigo que está morrendo ou impedir que seus ferimentos se tornem piores por sangramento e esse tipo de coisa. Isso ajuda a entender porque um ferimento não costuma ir se agravando com o tempo.

Natação: Sim, eu assumo que todos os personagens tem ao menos o conhecimento básico para não se afogarem automaticamente (ia parecer com jogos antigos de video-game). Até por que quem é ou conhece as pessoas do interior sabe que rio/lagoa é a piscina do povo,e lá todo mundo aprende a nadar neles.

Obvio, um rio mais agitado ou uma maré cheia talvez se provem mais do que eles conseguem lidar, mas o básico (nem que seja o "cachorrinho") eles sabem e podem atravessar lagos e outras concentrações de águas mais calmas sem muitos problemas (bem, sempre podemos ter uma piranhas famintas, né?).
Resultado de imagem para garotas de programa
Não, não esse tipo de piranha, seus pervertidos!
Furtividade: Além disso, todo personagem pode tentar ser mais furtivo. Claro que o Ladrão é o especialista nisso e ele pode, efetivamente, mover-se sem fazer barulho algum. Mas qualquer um pode tentar fazer menos barulho, diminuindo a chance de ser ouvido ou identificado. Da mesma forma, todo mundo pode se esconder atrás de uma pilastra, mas só o ladrão pode se esconder nas sombras (entendem o que eu quero dizer?).

Arte da fuga: novamente uma habilidade ladina que pode ser usada por todos, afinal eu assumo que os jogadores podem ser capturados e não somente massacrados pelos seus adversários. Sendo assim, todos eles podem tentar escapar das cordas em que estão amarrados ou ainda se for um personagem mais bruto, arrancar os grilhões das paredes. Ou qualquer coisa do tipo.

Mirar/Arremessar: claro que isso não tornará ninguém um Legolas ou o Capitão América, mas olhar um pouco e jogar uma pedra até meus priminhos de 3,4 anos conseguem. Acertar é outra história.
  
Bem, isso são só algumas ideias que dizem respeito a personagens típicos dos jogos de fantasia que costumo jogar. Elas me ajudam a julgar o tipo de coisa que eles são capazes de fazer e me ajudam a me desprender das regras um pouco e a incentivar os jogadores a tentarem realizar mais coisas, mesmo que não tenham a habilidade específica em suas fichas para aquilo ,aplicando os modificadores necessários. E vocês? Como lidam com essa situação?